Freud
Freud

Porque fazer Análise?


A Psicanálise é um ramo clínico teórico que se ocupa em explicar o funcionamento da mente humana, ajudando a tratar distúrbios, perturbações e sintomas desconfrotáveis de ordem psíquica. O objeto de estudo da psicanálise concentra-se na relação entre os desejos inconscientes e os comportamentos e sentimentos vividos pelas pessoas que podem acarretar em sintomas de ansiedade, insônia, agitação, insônica, manias e diversos comportamentos que podem refletir na vida da pessoa, prejudicando seu dia a dia, seus relacionamentos e afetando inclusive a produtividade e vida profissional. 

Desde Freud, a psicanálise se desenvolveu de muitas maneiras e, atualmente, há diversas escolas. O método básico da Psicanálise é a interpretação da transferência e da resistência com a análise da livre associação. Escutando o analisado, o analista procura manter uma atitude empática de neutralidade. Uma postura de não-julgamento, visando a proporcionar um ambiente seguro.

O atendimento psicanalítico

Diversos motivos levam as pessoas a procurarem atendimento psicanalítico: da busca por um espaço de escuta e compreensão para desabafar suas angústias, dúvidas  ou sofrimentos advindos dos mais variados momentos da vida, como períodos de transição, melancolia ou luto por perdas significativas, até a procura pelo tratamento ao se dar conta da existência de algum mal-estar em relação a si ou em relacionamentos interpessoais. São circunstâncias usualmente carregadas de sofrimento, de ansiedade, tristeza, depressão ou angústia. A falta de clareza sobre o que ocorre consigo mesmo impulsiona o sujeito a buscar um melhor entendimento sobre si.

Há também aqueles que buscam análise sem que haja um sofrimento psíquico evidente. Pode haver uma inquietação, um desejo de alcançar um saber mais profundo sobre si, decidir sobre uma mudança importante no percurso de vida, de olhar para a própria história e se tornar mais consciente. Ou, ainda, há situações em que a procura pela análise ocorre por recomendação de um profissional de outra área, que indica a análise como um lugar pertinente de cuidado e acolhimento, sobretudo nas situações em que há adoecimento do corpo ou dificuldades no ambiente em que a pessoa convive.

O que caracteriza um atendimento psicanalítico

Mas o que diferencia o atendimento psicanalítico de outros tratamentos? Em primeiro lugar, a escuta do psicanalista está sempre aberta para o que não é consciente (ou o inconsciente), ou seja, a o que está aquém ou além da fala manifesta. Sigmund Freud, em 1912, escreveu sobre a "regra fundamental" da psicanálise, isto é, que a pessoa em tratamento psicanalítico possa falar para seu analista o que vier à cabeça sem censuras. Esta "regra" garante aos pacientes que dentro da sala de análise é possível falar qualquer coisa. O analista não está lá para julgar. Pelo contrário, é justamente este "falar o que vier à cabeça" que permite a existência da associação livre, uma importante forma pela qual o que é inconsciente pode se expressar. E, portanto, comunicar algo à consciência.

Em segundo lugar, o psicanalista entende que a forma com que seus pacientes estabelecem a relação com ele também comunica algo do que se passa com esta pessoa. Neste sentido, a relação psicanalítica é única, pois se mantém num lugar diferenciado de qualquer relação que a pessoa tenha vivido.

A ideia fundamental da Psicanálise se apoia no fato de que as emoções e comportamentos dos indivíduos são, em boa parte, determinados por fatores inconscientes. Esses fatores podem ser impulsos, desejos ou temores que cada pessoa guarda dentro de si, sem, todavia, dar-se conta de sua existência. São sentimentos que não seguem uma lógica racional consciente e, por isso, geram conflitos entre si ou com a própria realidade em que se situa o sujeito.

A freqüência das sessões analíticas, o sigilo e o acolhimento oferecidos pelo analista, colaboram para que o/a paciente possa se sentir livre para expressar seus pensamentos e sentimentos em um ambiente único, de segurança e sigilo. Assim o/a paciente fica seguro em saber que não cabe ao analista exercer qualquer influência sobre os atos e decisões de seu paciente, uma vez que a psicanálise visa à compreensão, o que a diferencia de outras técnicas psicoterápicas ditas sugestivas ou de aconselhamento.

Em geral, as sessões ocorrem semanalmente, justamente para que haja um tempo hábil para a elaboração e reflexão do que se foi trabalhado, analisado e consequentemente a acomodação destes mesmos conteúdos.

Na primeira sessão-entrevista estabelecemos contato e podemos decidir se iremos dar início ao processo de análise. Algumas vezes é necessário mais de uma entrevista para se decidir dar início a análise e essa decisão é de ambas as partes. A primeira sessão não é cobrado nenhum valor. Após a decisão em dar início ao percurso, analista e analisante negociam valores, dias e horários e formato para as sessões de Psicanálise.

Os atendimentos tem em média 50 minutos e dependendo de cada caso, as sessões ocorrem uma vez por semana e podem ser realizados de forma individual, para casais ou com acompanhamento familiar.  

Para Psicanálise, não há um prazo estabelecido para término ou momento em que o analista propõe alta ao analisando. O tempo dependerá de cada caso.

Para maiores informações e agendamento chame no whats (11) 98252-2224.

Atendimentos realizados na Rua Santa Cruz, 1010 - Vila Mariana - próximo a estação Santa Cruz do metrô, linha azul.